Quando os profissionais choram RJ

Quando os profissionais choram – reações emocionais e contratransferenciais em cuidados paliativos e cuidados de fim de vida – Curso da Fundação Elisabeth Kübler-Ross no Rio de Janeiro

Curso intensivo avançado de curta duração do capítulo brasileiro da Elisabeth Kübler-Ross Foundation. O curso tem por finalidade abordar, de maneira aprofundada e vivencial, as dimensões contratransferenciais que mais comumente são evocadas na lida com os cuidados com pessoas diante da morte, bem como as possibilidades de manejo.

Conteúdo programático:

  • Reações emocionais influenciam em nosso trabalho profissional: uma introdução ao tema da contratransferência ao fim da vida
  • Sofrimento e cuidados profissionais
  • A Sedução da Autonomia: contratransferência e pedidos para apressar a própria morte
  • Futilidade e Beneficência: Interseção entre a bioética e a contratransferência nos cuidados de fim de vida
  • Influência da cultura e das questões étnicas nos cuidados paliativos: contratransferência e desafios para a assistência
  • Famílias que vivem dificuldades financeiras, a escassez material e a fome: trabalhando com a interface entre a mistanásia e as reações contratransferenciais
  • Horror e desamparo de mortes violentas: exame das reações contratransferenciais e manejo clínico
  • Morte por suicídio e reações contratransferenciais: impasses éticos e manejo clínico
    Barreiras emocionais para a discussão de Diretivas Antecipadas de Vontade: exame da contratransferência
  • Perda perinatal espontânea e aborto provocado: o peso do interdito, do julgamento e a análise da contratransferência
  • Lidando com as próprias limitações frente à contratransferência do outro
  • Uma jornada interior: Examinando a contratransferência e a sua implicação para os Cuidados de Fim de Vida

___________

Elisabeth Kübler-Ross, M. D., (1926 – 2004) foi uma médica psiquiatra suíça, radicada nos Estados Unidos da América, pioneira no movimento dos estudos sobre a morte e o morrer, o luto, a tanatologia e os cuidados paliativos. Numa iniciativa inédita no Brasil, iniciamos neste ano um curso de curta duração sobre a obra e o pensamento de Elisabeth Kübler-Ross, como uma forma de resgatar seu legado. Elisabeth Kübler-Ross – Brasil é um capítulo oficial da Elisabeth Kübler-Ross Foundation, uma fundação internacional que tem por missão difundir o legado de Elisabeth e ampliar a discussão, o acesso, a assistência e a educação nos temas dos cuidados paliativos, da tanatologia e do processo de luto.

Docentes:

Rodrigo Luz & Daniela Freitas Bastos, Presidente e Vice-Presidente, respectivamente, do capítulo brasileiro da Elisabeth Kübler-Ross Foundation.

___________

Informações:

Curso intensivo nos dias 30 e 31 de agosto e 01 de setembro (sexta, sábado e domingo), no Rio de Janeiro:

  • 30 de agosto, sexta-feira, de 16h às 20h.
  • 31 de agosto, sábado, de 9h30min às 20h30min.
  • 01 de setembro, domingo de 9h às 13h.

Leia com atenção:

  • Carga horária total: 20 horas;
  • Curso aberto para estudantes, profissionais, educação, voluntários, pessoas leigas que desejem se aprofundar na temática da morte e do morrer e demais interessados.
  • Inscrições podem ser parceladas em cartão de crédito. Inscrições e demais informações pela plataforma Sympla.
  • Haverão atividades vivenciais e teórico-práticas a partir do método de ensino e aprendizagem de Elisabeth Kübler-Ross.
  • A certificação será dada pela Elisabeth Kübler-Ross Foundation, e demorará o período de até 3 semanas para ser expedida.
  • Contato: ekrbrasil@gmail.com
    Endereço: Avenida Nossa Senhora de Copacabana, 664, portaria 3, sala 405.
  • Alunos e ex-alunos da Casa do Cuidar – Instituição de ensino e prática em Cuidados Paliativos, da cidade de São Paulo, podem solicitar 15% de desconto na inscrição de todos os cursos da EKR/Brasil. Informações via e-mail.
  • Alunos e ex-alunos da EKR/Brasil podem solicitar 15% de desconto na inscrição de todos os cursos da EKR/Brasil. Informações via e-mail.
  • Alunos de graduação e pós-graduação podem solicitar 15% de desconto na inscrição, e devem solicitar informações via e-mail.
    Site: http://www.ekrbrasil.com

Política de cancelamento

  • Não serão feitos reembolsos, em qualquer hipótese, para solicitações feitas a partir de 20 dias antes do começo do curso, em virtude da natureza autossustentável do curso.
  • Para solicitações de cancelamento antes desse período, será feita a devolução de 60% do valor, até 20 dias antes do começo do curso.
  • Será autorizado alterar o nome do inscrito, até a data do início do curso.
    Equipe EKR/Brasil

Inscrições

Referências:

Beitman, G. (1983). Categories of countertransference. Journal of Operational Psychiatry, 14(2), 91–98.
Dunkel, J., & Hatfield, S. (1986, March–April). Countertransference issues in working with persons with AIDS. Social Work, 114–117.
Freud, S. (1959a). The future prospects of psychoanalytic therapy. In E. Jones (Ed.), Collected papers of Sigmund Freud (Vol. 2, pp. 285–296). New York: Basic Books. (Original work published 1910.)
Freud, S. (1959b). Recommendations for physicians on the psychoanalysis method of treatment. In E. Jones (Ed.), Collected papers of Sigmund Freud (Vol. 2, pp. 323–333). New York: Basic Books. (Original work published 1912.)
Gabbard, G. O. (1995). Countertransference: The emerging common ground. International Journal of Psychoanalysis, 76, 475–485.
Gabbard, G. O. (1999). An overview of countertransference: Theory and technique. In G. O. Gabbard (Ed.), Countertransference issues in psychiatric treatment (pp. 1–25). Washington, DC: American Psychiatric Press.
Genevay, B., & Katz, R. S. (Eds.) (1990). Countertransference and older clients. Newbury Park, CA: Sage.
Gill, M. M. (1994). Psychoanalysis in transition: A personal view. Hillsdale, NJ: Analytic Press.
Heimann, P. (1950). On countertransference. International Journal of Psycho-Analysis, 31, 81–84.
Katz, R. S., & Genevay, B. (1987, Spring). Older people, dying and countertransference. Generations: Journal of the American Society on Aging, 28–32.
Katz, R. S., & Genevay, B. (2002, November). Our patients, our families, ourselves: The impact of the professional’s emotional responses on end-of-life care.
American Behavioral Scientist, 46(3), 327–339. Kernberg, O. (1965). Notes on countertransference. Journal of the American Psychoanalytic Association, 13, 38–56.
Langs, R. (1983). Therapists’ reactions to the patient. In The technique of psychoanalytic psychotherapy (Vol. 2). New York: Aronson.
Little, M. (1951). Countertransference and the patient’s response to it. International Journal of Psycho Analysis, 32, 32–40.
Maroda, K. (2004). The power of countertransference: Innovations in analytic technique. Hillsdale, NJ: Analytic Press.
Racker, H. (1968). Transference and countertransference. New York: International Universities Press.
Sandler, J., Christopher, D., & Holder, A. (1973). The patient and the analyst. New York: International Universities Press.
Wishnie, H. A. (2005). Working in the countertransference: Necessary entanglements. New York: Jason Aronson.